.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

50 Provas Que Estamos Vivendo Nos Últimos Dias


A Bíblia diz que não podemos saber quando o Senhor voltará (Mateus 25:13). Mas as Escrituras também dizem claramente que podemos saber a época da volta do Senhor (1 Tessalonicenses 5:2-6): "porque vós mesmos sabeis perfeitamente que o dia do Senhor virá como vem o ladrão de noite…Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que aquele dia, como ladrão, vos surpreenda; porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas; não durmamos, pois, como os demais, antes vigiemos e sejamos sóbrios."
Essa passagem mostra que Jesus voltará como um "ladrão de noite." Mas depois procede a esclarecer que isso será verdade só para o mundo pagão e não para os crentes. A volta d'Ele não deveria surpreender os que conhecem a Ele e Sua Palavra, pois eles têm o Espírito Santo para dar-lhes entendimento da natureza dos tempos.
Além disso, as Escrituras nos dá outros sinais pelos quais vigiarmos - sinais que indicarão que Jesus está pronto para voltar. O escritor da carta aos Hebreus referiu-se a esses sinais quando ele proclamou que os crentes deveriam encorajar uns aos outros quando eles vêem o dia do julgamento chegando (Hebreus 10:25-27). Jesus também referiu-Se aos sinais dos finais dos tempos no Seu Discurso no Monte das Oliveiras, dando durante a última semana da Sua vida (Mateus 24 e Lucas 21). Falando sobre vários sinais que Ele havia dado aos discípulos, Ele disse, "Igualmente, quando virdes todas essas coisas, sabei que ele está próximo, mesmo" (Mateus 24:33).
Uma Experiência Particular
Cada vez que penso dos "Sinais dos Tempos" lembro-me de um grande homem de Deus chamado Elbert Peak. Tive o privilégio de participar com ele numa conferência de Profecia Bíblica em Orlando, Florida no começo dos anos 1990s. Sr. Peak já tinha seus 80 anos.
Ele tinha escolhido o tema, "Os Sinais dos Tempos." Ele começou sua apresentação observando "Sessenta anos atrás quando eu comecei a pregar, você tinha que catar como uma galhinha para encontrar os sinais da breve volta do Senhor."
Ele parou durante um momento e acrescentou, "Mas hoje existem tantos sinais que já não preciso procura-los. Ao invés, estou esperando ouvir um som - o som da uma trombeta!"
O Primeiro Sinal
Cem anos atrás em 1907 não havia sequer um tangível, medível sinal que indicava que estivéssemos vivendo durante a temporada da volta do Senhor. O primeiro a se manifestar foi a Declaração de Balfour que foi feita pelo governo Britânico do dia 2 de novembro de 1917.
Essa Declaração foi feita porque durante a 1ª Guerra Mundial os turcos foram aliados com os alemãs. Então, quando a Alemanha perdeu a guerra, os turcos também a perderam, e os aliados vitoriosos decidiram dividir tanto o império dos alemães quanto o da Turquia.
Os territórios turcos, chamados o Império Otomano, continha a antiga terra do povo judaico - uma área que os romanos botaram o nome de Palestina depois da última revolução judaica em 132-135 DC.
Em 1917 a Palestina incluía todo o que hoje conhecemos como Israel e Jordânia. No esquema que os aliados inventaram para dividir os territórios turcos e alemãs, à Britannia foi dado a Palestina, e foi isso que causou a Declaração de Balfour. Nesse documento, o Sr. Balfour, Ministro do Exterior, declarou que era a intenção do governo britânico estabelecer na Palestina "um lar nacional para o povo judaico."
O Evangélico principal na Inglaterra durante esse tempo era F. B. Meyer. Ele imediatamente reconheceu o significado profético da Declaração, pois ele bem sabia que as Escrituras profetizavam que o povo judaico será reunido na sua terra em incredulidade logo antes da volta do Messías (Isaías 11:11-12).  
Meyer enviou uma carta aos líderes Evangélicos da Inglaterra pedindo-os que reunissem em Londres em dezembro para discutir os significados proféticos da Declaração Balfour. Nessa carta ele disse, "Os sinais dos tempos apontam para o final dos tempos dos gentios… e o retorno de Jesus pode ser aguardado a qualquer momento."
Antes do começo da reunião, outra coisa muito importante ocorreu. No dia 11 de dezembro, 1917 o General Edmund Allenby liberou a cidade de Jerusalém de 400 anos de domínio turco.
Não há dúvida que esses eventos em 1917 marcaram o começo do final dos tempos porque eles facilitaram a reunião mundial do povo judeu à sua terra e restabelecimento do seu estado.
Desde 1917
Desde o início da Declaração de Balfour, temos visto durante o 20º século a aparência de sinal após sinal apontando à breve volta do Senhor. Existem tantos desses sinais hoje, em fato, que um teria que ser ou uma pessoa biblicamente analfabeta ou espiritualmente cega para não entender que estamos vivendo em tempo emprestado.
Eu pessoalmente busco a anos na Bíblia para identificar todos os sinais, e não tem sido um dever fácil de fazer. Porque exitem tantos sinais, tanto no Antigo e Novo Testamentos.
Já notei que a melhor maneira de estuda-los é categoriza-los, e ao fazer isso, encontrei seis categorias dos sinais dos últimos dias.
1) Os Sinais da Natureza
"... e haverá em vários lugares grandes terremotos, e pestes e fomes; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu." (Lucas 21:11)
Essa categoria de sinais tem sempre sido a mais desprezada, até entre os crentes. A mera menção dela geralmente evoca uma ridicularização acompanhada pelas palavras, "Vamos, o que há de novo? Sempre houveram terremotos e furacões e tempestades." Mas os que têm essa atitude esquecem que Jesus disse que os sinais seriam como "princípios das dores" (Mateus 24:8). Isso quer dizer que as dores aumentarão em freqüência e força o quanto mais perto está a volta do Senhor. Em outras palavras, haverão mais desastres naturais e mais esses serão mais intensos.
E isso é exatamente o que tem acontecido. Por exemplo, entro outubro de 1991 e novembro de 2004 - um período de 13 anos - os Estados Unidos teve:
• 9 dos 10 maiores desastres naturais na história.
• 9 dos 10 maiores desastres (de acordo aos gastos de ajuda de FEMA - Federal Emergency Management Agency) 
• 5 dos mais custosos furacões na história.
• 3 de 4 das maiores números de grupos de tempestades na história.
E lembre-se que essas estatísticas foram obtidas antes do desastre do furacão Katrina em agosto de 2005!
2) Os Sinais na Sociedade
"Sabe, porém, isto, que nos últimos dias sobrevirão tempos penosos; pois os homens serão amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a seus pais, ingratos, ímpios, sem afeição natural, implacáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus..." (2 Timóteo 3:1-4)
Essa passagem parece uma típica manchete diária hoje em dia! Note bem as três coisas que diz que o povo adorará nos últimos dias: si mesmos, dinheiro e prazer.
O amor de si mesmos é humanismo - o crer que o Homem pode realizar qualquer coisa. O amor ao dinheiro é o Materialismo. Quando o Humanismo é a sua religião, o seu deus sempre será o dinheiro. O amor ao prazer é o terceiro prazer que é mencionado. Isso é o Hedonismo, o estilo de vida que sempre será produzido pelo Humanismo e Materialismo.
Mas Deus não se deixa ser ridicularizado (Gálatas 6:7). Ele, pois, faz com que quando o homem escolhe o Humanismo, Materialismo, e Hedonismo, a recompensa é Niilismo - que é uma palavra filosófica para o desespero.
Preciso eu mostrar que o nosso mundo está cheio do desespero hoje? Vivemos numa sociedade atormentada por aborto, homossexualismo, violência, assédio de crianças, blasfêmia, pornografia, alcoolismo, abuso de drogas e jogos de risco.
Como nos dias dos Juízes no Antigo Testamento, o povo está fazendo o que é certo em seus próprios olhos, e o resultado é que o povo está chamando o mal de bem e ao bem de mal (Isaías 5:20).
3) Os Sinais Espírituais
Têm mais sinais nessa categoria do que qualquer outra. Muitos são diabólicos, mas também têm algumas muito positivas. Acerca dos sinais negativos, uma passagem típica é essa encontrada em 2 Timóteo 4:3-4: "Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos, e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão"
Alguns dos sinais espirituais que são especificamente profetizados incluem os seguintes: cristos falsos, religiões falsas, heresias, apostasia, cepticismo, decepção, ocultismo, e perseguição. 
O que Jesus mencionou com maior freqüência foi o de cristos falsos e suas religiões falsas (Mateus 24:51124). Desde 1850 temos tido uma explosão dessas religiões falsas, cumprindo essas profecias.
Mas, graças a Deus, sabemos que haverão muitos sinais positivos nos últimos dias. O mais importante deles, que é profetizado em várias passagens, é o derramamento do Espírito Santo (Joel 2:28-29).
Esse derramamento começou no começo do 20º século, e provou ser uma das maiores surpresas - e benção - espirituais do século. Entenda que, no início do século o ponto de vista predominante entre os Católicos e Protestantes sobre o Espirito Santo era de Cessacionismo.  Esse dizia que os dons do Espirito cessaram quando o último Apóstolo morreu. Em efeito, foi uma crença que o Espirito Santo havia se aposentado no Primeiro Século.
O 20º século havia só começado quando ocorreu um avivamento do Espirito Santo numa pequena universidade Bíblica em Topeka, no estado de Kansas, E.U. em 1901. Três anos depois, uma revivificação semelhante moveu sob o país de Wales e começou a espalhar por todo o mundo. Aí, em 1906, o Espirito caiu poderosamente sob um humilde pregador negro na cidade de Los Angeles chamado William J. Seymour. O Avivamento da Rua Azuza (Azuza Street Revival), como veio a ser chamado, continuou durante quatro anos e germinou o movimento Pentecostal.
A Bíblia profecia dois grande derramamentos do Espirito e retrata-os simbólicamente como "chuvas de outono e as de primavera" (Joel 2:23), baseado nas duas épocas de chuvas de Israel. A de primavera aconteceu durante Pentecostes no Primeiro século quando a igrêja foi estabelecida. A de outono foi profetizada a acontecer depois que o povo judaico se re-estabelecese na sua terra (Joel 2:18-26).
Primeiro houve a unção do ministério de Billy Graham em 1949, seguido pelo movimento carismático dos anos 1960s. Hoje, a maioria dos Cristãos, sejam Pentecostais, Carismáticos, ou Tradicional, reconhecem plenamente que o ministério do Espirito Santo está ativo em adoração cheia do Espírito, a validade dos dons do Espirito, a realidade da batalha espiritual, e a importância da vida cheia do Espírito em vencer a batalha.
Além da descobrimento renovado do Espírito Santo, existem outras profecias Espirituais positivas se realizando hoje - como a pregação do Evangelho por toda a terra (Mateus 24:14), a revivificação de louvores Davídicos (Amós 9:11) e o surgimento do Judaísmo Messiânico (Romanos 9:27).  
> > > NOTA DO TRADUTOR: O Messianismo ao qual Dr. Reagan fala refere-se de judeus que acreditam que Jesus Cristo é o Messías que veio, morreu e ressuscitou pelos nossos pecados. São Cristãos, mas destacam-se no fato que foram criados na religião judaica, mas como todo Cristão, pela graça de Deus, chegaram ao reconhecimento do nosso Senhor e Salvador. - Não tem NADA a ver com a igreja Messiânica no Brasil, ou Igreja Messiânica Universal. < < <
Em outras palavras, a Bíblia ensina que muitas das profecias dos últimos dias não serão entendidas até que o tempo chegue para elas serem cumpridas. E isso é exatamente o que tem acontecido nos últimos 100 anos. Desenvolvimentos históricos e científicos estão agora ajudando-nos a entendermos profecias dos últimos dias que até agora não eram claras.
Por exemplo, Israel. Toda profecia quanto aos últimos dias têm a ver com a nação de Israel. Mas como poderiam ser entendidas essas profecias enquanto Israel não existia e não havia nem possibilidade da nação existir novamente algum dia?
É por essa razão que o livro de Hal Lindsey, A Agonia Do Grande Planeta Terra (The Late Great Planet Earth), foi um sucesso e bestseller nos anos 1970's. Pela primeira vez foi explicado os eventos profetizados no livro do Apocalipse em maneira que todos podiam entender facilmente.

4) Os Sinais da Política Global


"...Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino…." (Mateus 24:6-7)

Fui professor de política internacional durante 20 anos antes de entrar no ministério integralmente, assim que isso é uma area fascinante para mim.
A Bíblia profetiza uma configuração de políticas mundiais bem especifica durante os últimos dias. Israel se vê como restabelecido (Ezequiel 37:21-22) e cercado por vizinhos árabes hostis intento eu sua destruição (Ezequiel 35:1-36:7). Isso, sem dúvida tem sido a situação no oriente médio desde a declaração de independência de Israel em maio de 1948.
Daniel profetizou que o Império romano seria revivificado (Daniel 2:36-41), algo que muitos homens - como Charlemagne, Napoleão e Hitler - tentaram fazer por força. Mas a profecia tinha que esperar o tempo de Deus para seu cumprimento, e isso veio depois da segunda guerra mundial, com a criação do Mercado Comum Europeu que transformou-se ao super poder que é a União Européia. 
A Bíblia mostra um grande poder localizado na terra de Magog "no extremo norte". Essa nação ameaçará Israel nos últimos dias e eventualmente lidará uma invasão de Israel junto com aliados especificados, todos os quais são nações modernas muçulmanas (Ezequiel 38:1-39:16). Russia com todas as suas republicas muçulmanas e aliados muçulmanos cabe nessa descrição exatamente.
Todas as nações da terra são profetizadas a unirem-se contra Israel nos últimos dias sobre o controle de Jerusalém (Zacarias 12:2-3) - uma profecia sendo cumprida hoje.
A quantia de guerras no 20º século é outra profecia dos últimos dias sendo cumprida em relação à política mundial. O 20º século foi um cheio de guerra. Como as dores de parto, a freqüência e intensidade de guerra aumentou exponencialmente. Agora é estimado que mais pessoas morreram em guerras durante o 20º século que todas as guerras da história humana.

5) Sinais Tenológicos

"os homens desfalecerão de terror, e pela expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto os poderes do céu serão abalados." (Lucas 21:26).


O desenvolvimento de armas nucleares parecem prenunciarem essa profecia em Lucas 21 que fala dos "homens desfalecerão de terror" por causa dos "poderes do céu serão abalados". A incrível matança dos Julgamentos de Selos e Trombetas que vemos nos capítulos 6 e 8 do livro do Apocalipse indica que o Anticristo conquistará o mundo usando armas nucleares. Vemos que um terço do livro de Apocalipse será incendiado e um terço dos homens mortos. Além disso temos mais evidência que Apocalipse 16 fala de um holocausto nuclear, pois diz que no final da Tribulação os sobreviventes serão cobertos com feridas incuráveis (Apocalipse 16:11).

Como falei ante, existem muitas profecias dos últimos dias que simplesmente não podem ser entendidas sem conhecimento de desenvolvimentos tecnológicos modernos. Considere a profecia em Apocalipse 11 das duas testemunhas que chamaram o mundo inteiro ao arrependimento durante a primeira metade da Tribulação. Após serem mortos pelo Anticristo, lemos que seus cadáveres estarão nas ruas de Jerusalém por três dias e meio, e o mundo inteiro os verão (Apocalipse 11:9). Como é que alguém poderia entender tal profecia antes do progresso de televisão via satélite nos 1960's?

Igualmente, como poderia o Anticristo controlar todas as compras e vendas por todo o mundo (Apocalipse 13) sem a invenção da tecnologia de computadores? Como poderia o Profeta Falso criar a ilusão de dar vida a uma estátua (Apocalipse 13) sem a tecnologia de hologramas, realidade virtual e robótica? Como poderia uma exército de 200 milhões vir do Oriente (Apocalipse 9) antes da explosão de população que foi possível pela tecnologia médica moderna? Como poderia o Evangelho ser proclamada a todo o mundo (Mateus 24) antes da invenção de filmes, radio, televisão e a internet? A lista é enorme.

6) Os Sinais de Israel

"Naquele dia farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que a erguerem, serão gravemente feridos. E ajuntar-se-ão contra ela todas as nações da terra.(Zacarias 12:3)

Os sinais que apontam para Israel são os mais importantes de todos porque a história dos judeus é o relógio profético de Deus. Por isso quero dizer que as Escrituras freqüentemente ligam um acontecimento profético do futuro com algo que acontecerá aos judeus. Sabemos que devemos ficar de olho nos acontecimentos aos judeus, e quando o que foi profetizado a acontecer a eles, podemos contar com que o ademais profetizado acontecerá.

Um exemplo encontra-se em Lucas 21:24 aonde Jesus profetiza que os judeus seriam dispersados de Jerusalém e levados cativos por todas as nações. Mas aí Ele acrescentou que um dia eles voltariam para repovoar Jerusalém, e quando isso acontecer, os acontecimentos dos finais dos tempos que começariam logo antes do retorno dEle.
Existem muitas profecias com respeito aos judeus nos últimos dias, muitas das quais começaram a serem cumpridas no 20º século, mas quatro delas são chaves. A primeira é a reunificação em incredulidade (Isaías 11:11-12). Em 1900 haviam só 40.000 judeus na Palestina. Ao final da 2ª Guerra Mundial, esse número havia acrescentado á 800,000. Hoje, existem mais de 5,7 milhões que vieram dos confins da terra. Em breve, haverão tantos judeus em Israel quanto morreram no Holocausto. O profeta Jeremias diz duas vezes que no final da história o povo judeu refletirá e chegará à conclusão que a reunificação foi um milagre maior do que o grande livramento do cativeiro egípcio (Jeremias 16:14-15 e 23:7-8). Estamos realmente vivendo durante uma época muito importante! 
A segunda profecia chave sobre os judeus é a conseqüencia natural da sua reunificação. É o re-estabelecimento do seu estado, que ocorreu em 14 de maio de 1948 (Isaias 66:7-8). A terceira profecia chave é a re-ocupação de Jerusalém que aconteceu em 7 de junho de 1967 durante a milagrosa Guerra dos Seis Dias (Zacarias 8:4-8).
A quarta profecia significante é a que estamos testemunhando hoje - o mundo focalizando toda a sua atenção à nação de Israel (Zacarias 12:2-3). Todas as nações do mundo, inclusive os Estados Unidos, estão unindo-se contra Israel sob o assunto do controle da capital da nação - a cidade de Israel. O Vaticano quer controlar a cidade. As Nações Unidas querem que seja internacionalizada. A União Européia está exigindo que seja dividida entre os árabes e os judeus. Os árabes querem controle da cidade inteira. 
Resumo
Afinal - seis diferentes categorías de sinais, cada categoria contem muitas profecias sobre os últimos dias, e todas quais estão sendo cumpridas no nosso dia. Deixe-me concluir com uma lista das 50 profecias.
1) Aumento de instabilidade da natureza.
2) Aumento de corrupção e violência
3) Aumento de imoralidade
4) Aumento em materialismo.
5) Aumento em Hedonismo.
6) Aumento na influência do Humanismo.
7) Entretenimentos depravados
8) Chamando o mal bom e o bom mal.
9) Aumento em uso de drogas
10) Aumento em blasfêmias.
11) Aumento em paganismo.
12) Aumento em desespero.
13) Sinais nos céus.
14) Aumento em ciência.
15) Aumento em mobilização
16) Explosão de religiões falsas.
17) Proliferação de cristos falsos.
18) Aumento de apostasia na Igrêja.
19) Aumento de ataques contra Jesus.
20) Aumento de ataques contra a Bíblia.
21) Aumento de perseguimento de Cristãos.
22) Aumento em ocultismo.
23) Guerras e rumores de guerras.
24) Armas nucleares.
25) Aumento em fomes.
26) Aumento de pestes.
27) Tecnologia informática.
28) Televisão.
29) Tecnologia satelital.
30) Realidade virtual.
31) Unificação da Europa.
(Daniel 2 e 7)
32) Forças armadas no oriente.
33) Moção para um governo mundial.
34) Reunificação dos judeus.
35) Re-estabelecimento de Israel.
36) Reocupação da terra de Israel.
37) Revivificação do hébreu Bíblico. 
38) Reocupação de Jerusalém
39) Ressureição das forças armadas israelitas.
40) Atenção política mundial em israelense.
41) Ameaça russa contra Israel.
42) Ameaça arabe contra Israel.
43) Negação da Volta de Jesus.
44) Negação da criação por Deus.
45) Derramamento do Espírito Santo.
46) Tradução da Bíblia a vários idiomas.
47) Pregação do Evagelho por todo o mundo.
48) Avivamento de judaísmo Messiânico.
NOTA DO TRADUTOR: O Messianismo ao qual Dr. Reagan fala refere-se de judeus que acreditam que Jesus Cristo é o Messías que veio, morreu e ressuscitou pelos nossos pecados. São Cristãos, mas destacam-se no fato que foram criados na religião judaica, mas como todo Cristão, pela graça de Deus, chegaram ao reconhecimento do nosso Senhor e Salvador. - Não tem NADA a ver com a igreja Messiânica no Brasil, ou Igreja Messiânica Universal.
49) Revivificação de louvores Davídicos
50) Ententimento de profecia Bíblica.
Essa lista pode ser altamente expandida, mas os 50 exemplos acima devem ser suficiente para mostrar que estamos vivendo durante a época da volta do Senhor.
A Bíblia claramente ensina que o Senhor nunca derrama Sua ira sem primeiro avisar, pois Ele é um Deus justo e de amor que não quer que nenhum se perda (2 Pedro 3:9). É por isso que Ele providenciou tantos sinais para avisar-nos do fato que estamos vivendo à beira da Tribulação. 
A Mensagem
O resumo da mensagem dos sinais é que estamos vivendo em tempo emprestado. A pergunta crucial para todo ser humano sendo "Você está pronto?" Está pronto para a volta de Jesus? Quando voltar será tua Benção Abençoada ou seu Santo Terror?
Será um ou o outro, pois Deus está determinado a julgar o pecado, e Ele o faz ou com graça ou ira (João 3:36). Se você já botou sua confiança em Jesus como seu Senhor e Salvador, então estás sob a graça de Deus. Seus pecados já foram perdoados e esquecido, e você pode olhar para o amanhã com confiança àquele dia em que Jesus aparecerá nos céus.
Mas, se você nunca recebeu Jesus como seu Senhor e Salvador, você está sob a ira de Deus, e não tem nada a esperar fora o terror da ira dEle.
A escolha é sua. Eu pessoalmente não entendo porque alguém daria as costas à dádiva da graça de Deus pela fé no Seu Filho. Eu botei minha fé em Jesus, e posso então olhar com grande antecipação e expectativa para a volta dEle em breve. Todo o meu ser grita, "Maranata! Venha logo Senhor Jesus" (1 Coríntios 16:22).

terça-feira, 2 de junho de 2015

Cair na Unção de Deus, o que é?

CAIR NA UNÇÃO DE DEUS, OU FANEROSE


Devido a enorme polêmica que é gerada ao ver pessoas sendo ministradas ou não com imposição de mãos e estas caindo no chão da igreja. 


Viemos elaborar este estudo para que os nossos membros tivessem a certeza de que isto acontece pelo poder de Deus e apenas pela vontade do próprio Espírito Santo que é quem traz essa unção para igreja.

Não estamos afirmando como doutrina que todas as vezes que recebemos um tratamento ou unção do Espírito Santo temos de ser arrebatados ao chão, porém viemos esclarecer que temos vários relatos desse tipo de experiência que identificamos na bíblia sagrada e nos grandes avivamentos reconhecidos até o dia de hoje.

Mt 9:17 “Nem se deita vinho novo em odres velhos;aliás rompem-se os odres, e entorna-se o vinho, e odres estragam – se;mas deita – se vinho novo em odres novos, e assim ambos se conservam”.Esse é o princípio para se entender essa unção, devemos estar aberto para receber o vinho novo do avivamento que o Espírito Santo esta derramando nos ministérios e pessoas que estão sedentas por mais de Deus, ou seja, não colocam limites em um Deus que é ilimitado, um Deus cujo os seus pensamentos são maiores do que o nosso (Is 55:9), pois é necessário ter e ouvir a voz do Espírito Santo para poder compreender as coisas de Deus (ICo 2:13-16).

1 – Versículo com interpretação errada usado por alguns que tenta negar essa manifestação de poder de Deus:

O cair é do homem e o levantar é de Deus.

Leia Sl 37:24 e veja a verdadeira hermenêutica bíblica :ainda que o homem bom(vers 23)caia (significando ser humilhado,surrado (conf Lc 10:33-35 ; novo comentário da bíblia de F. DAVIDSON ed. Vida Nova) o Senhor o colocará de pé.

CAIR NO PODER É BÍBLICO?

Vamos descrever para você alguns textos que relatam essa experiência com alguns personagens da bíblia sagrada e os seus fins.

A – Gn 2:21 – Deus fez cair um sono em Adão para tirar a sua costela.

TRATAMENTO: Para que Deus operasse na vida de Adão sem que ele sentisse dor, o Senhor o deixou dormindo para tocar em seu corpo. Se alguém te operasse mesmo dormindo sem efeito de anestesia você sentiria dor? Claro que sim, ou seja, Deus o deixou imóvel e sem poder sentir dor para tratar com o seu corpo. Muitos caem e ficam no chão sem se mover para que Deus trate com a pessoa sem dor, é o que acontece quando ministramos o pedimos para o Senhor aplicar uma anestesia espiritual.

B – IICrônicas 5:13, 14 “E aconteceu que, quando eles tocavam as trombetas, e cantavam, para fazerem ouvir uma só voz, bendizendo e louvando ao senhor; e levantando eles a voz como trombetas, címbalos, e outros instrumentos musicais, e louvando ao senhor, dizendo: porque ele é bom porque sua benignidade dura para sempre, então a casa se encheu de uma nuvem a saber a casa do senhor; E os sacerdotes não podiam permanecer em pé, para ministrar por causa da nuvem; por que a glória do senhor encheu a casa de Deus”.

UNÇÃO E PODER DE DEUS: Quando o Senhor derrama uma grande porção da sua unção, ou quando é muito alto o nível de unção em um lugar muita das vezes caímos pois quem somos nós para resistirmos ao poder de Deus.

Vou ilustrar uma experiência para você: se colocarmos qualquer material de metal para queimar em oxigênio 50%, vamos ter um tipo de combustão mas se colocarmos oxigênio a queima será maior e mais rápida. Quando sentimos a presença de Deus de intensidade pequena sentimos arrepios mas quando a presença de Deus é muito grande podemos cair, rodar,ter experiências muito maiores do que um simples arrepio.

C – Daniel 10:8-9 “Fiquei pois eu só a contemplar a grande visão, e não ficou força em mim; desfigurou-se a feição do meu rosto, e não retive força alguma.
Contudo, ouvi a voz das suas palavras; e, ouvindo o som das suas palavras, eu caí num profundo sono, com o rosto em terra.”

EXPERIÊNCIA COM DEUS: Daniel caiu em terra ao ter uma visão que o Senhor lhe proporcionou.
tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, 11 casos de pessoas que caíram prostradas, com o rosto em terra, em sinal de adoração a Deus

D -: At 9.4 “E, indo no caminho, aconteceu que, chegando perto de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu; e caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?”

EXPERIÊNCIA COM DEUS (SALVAÇÃO E CHAMADO) – Essa experiência deu início a grande mudança na vida de Paulo, experiências com Deus é um fator de extrema importância na vida dos crentes,pois quando sentimos a essência do que pregamos, pregamos com total convicção.

E – At 10:10 – “E tendo fome, quis comer; e, enquanto lho preparavam, sobreveio-lhe um arrebatamento de sentidos,”
MENSAGEM PROFÉTICA E TRATAMENTO: Antes que alguém fale que ele caiu com fome, vamos lhe explicar que Deus usou o seu momento de fome apenas para descrever a sua mensagem profética na qual falava de alimentos considerados imundos. Além da mensagem que preparou Pedro para ver Cornélio, Jesus tratou da natureza discriminatória de Pedro quanto aos gentios.

F – Ap 1:10 “Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz,como de trombeta,”
MENSAGEM PROFÉTICA: Para ser arrebatado no Espírito é impossível ficar em pé.

G – Ap 1:17 “E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o promeiro e o último;”
REVELAÇÃO FACE A FACE DE JESUS: João não agüentou a presença de Jesus em seu estado de glória.

H – Jo 18:5-6 “Responderam-lhe: A Jesus, o nazareno. Disse-lhes Jesus: Sou eu. E Judas, que o traía, também estava com eles. Quando Jesus lhes disse: Sou eu, recuaram, e cairam por terra”.
EXPERIÊNCIA COM QUEM NÃO SERVE A JESUS: Após Jesus se identificar com sua autoridade os ímpios caíram, porque quando o mestre se revela a alguém não há quem resista.



I – NÃO HÁ LIMITES PARA SERMOS TOCADOS OU SAIR DA PRESENÇA DE DEUS

Quando o Espírito Santo está agindo sobre as nossas vidas. Leia (ISm 19: 20 – 24) Saul ficou nu por terra profetizando toda uma noite porque o Espírito de Deus estava sobre ele.

2 – E AS QUE FICAM TREMENDO SÃO BÍBLICOS?

Resposta para aqueles que ficam tremendo o corpo em pé ou quando caem: Leiam At 9:6, Dn 10:11.


3 – VAMOS CITAR ALGUNS AVIVAMENTOS  E ONDE OCORRERAM

Carl Brumback no livro “Que Quer Isto Dizer? (O S. Boyer, 1960), diz: “Como os críticos gostam de descrever os acontecimentos nos cultos pentecostais! Como se regozijam de se referir à maneira de eles tremerem, clamarem, dançarem, caírem e, então, dirigindo-se ao interessado perguntar seriamente: “isso tem alguma coisa em comum com o relato calmo e solene das Escrituras”.

O interessado se for um verdadeiro estudante das Escrituras, pode retrucar: “A qual relato calmo e solene das Escrituras se refere?

Ao relato do Pentecostes, quando as manifestações extraordinárias e barulhentas levaram os zombadores a dizerem: “Estão embriagados”? Ou refere-se a história da cura do coxo, que deu “um salto, pôs-se em pé e, começou a andar; e entrou no templo, andando, saltando e louvando a Deus?” Ao relato em Atos 4, onde os discípulos “levantaram unanimemente a voz?”

A Saulo que caiu sob o poder de Deus? Ao regozijo e louvor a Deus em alta voz da multidão na entrada triunfal, o qual o Senhor Jesus apoiou, dizendo: “Declaro-vos que, se estes se calarem, as pedras clamarão”?

0 livro “O Fogo do Reavivamento” de Wesley Duewel (Editora Candeia, pg. 53) afirma que enquanto João Wesley pregava, “inúmeras pessoas caíram ao chão como se atingidas por um raio”. George Whitefield, companheiro de Wesley diz que quando pregou em Edimburgo em junho de 1742 “… durante uma hora e meia houve tanto choro, tanta aflição, manifestada de várias formas, que fica impossível descrever.

O povo parecia estar sendo atingido às centenas. As pessoas eram carregadas e levadas até suas casas como soldados feridos num campo de batalha. Sua agonia e gritos eram profundamente comoventes” (ibid pg. 58). Ele acrescenta o que aconteceu no dia 3 de outubro numa reunião que começou as 8.30 da manhã e terminou as 8.30 da noite: “Vi 10.000 pessoas afetadas num instante, algumas com alegria, outras com choro… algumas desmaiando nos braços de amigos” (pg. 59).

Um outro avivamento aconteceu nos dias de Finney. Onde ele pregava as pessoas caíam sob o poder de Deus. Diz o texto que, enquanto Finney pregava “a congregação começou a cair de seus assentos, e caíam em todas as direções, pedindo misericórdia” (ibid pg. 87). “Algumas pessoas desmaiavam sob a convicção nos cultos da igreja e outras mais tarde em suas casas” (pg. 90). As biografias de Finney falam deste mover de Deus que derrubava as pessoas no chão!

No avivamento de Cane Ridge em 1801 nos Estados Unidos um pastor presbiteriano relata: “O que vi foi para mim novo e realmente extraordinário… Muitas e muitas e muitas pessoas caíram ao chão, como homens mortos na batalha, e continuaram neste estado durante horas a fio, num estado aparentemente sem respiração e inerte – às vezes reavivando-se por alguns momentos e exibindo sintomas de vida através de um profundo gemido, ou de um grito penetrante e agudo…” (Idem pg. 31)

OBS: Devemos tomar muito cuidado com o que pensamos ou falamos dessas manifestações do poder de Deus, pois muitos atribuem isso a quem é mentiroso e enganador, ou seja, satanás e não a Deus.

Frase de Wesley: “Satanás, igualmente, imitava essa obra de Deus, para desacreditar toda a obra…. no início foi, sem dúvida, inteiramente de Deus. A sombra não desacredita a substância, nem o diamante falso deprecia o verdadeiro”. E isto em 1759!
Mt 12:31 “Portanto eu vos digo: Todo o pecado e blasfêmia será perdoado;mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada aos homens.

Conclusão: Portanto na bíblia e também em grandes avivamentos depois da era apostólica o Espírito de Deus promoveu manifestações destes tipos que estudamos hoje. Portanto Ele só precisa que você abra o seu coração para receber de Deus tudo a unção que está disponível para nós nos dias de hoje, procure o batismo com o Espírito Santo e seja cheio dele pois o Senhor o enviou para nos ajudar, não rejeite aquilo que Deus preparou para a sua vida por meras concepções tradicionalistas do homem.
(Jo 14:23 -26).



1.  A força de uma visão nitidamente celestial

As visões, na Bíblia, tinham uma força impressionante. Agitavam, enfraqueciam e até deitavam por terra homens santos de Deus. Que o diga Daniel. Já encerrando o seu livro, o profeta registra esta formidável experiência: “Fiquei, pois, eu só e vi esta grande visão, e não ficou força em mim; e transmudou-se em mim a minha formosura em desmaio, e não retive força alguma. Contudo, ouvi a voz das suas palavras; e ouvindo a voz das suas palavras, eu caí com o meu rosto em terra, profundamente adormecido” (Dn 10.8,9).

Em sua primeira visão, Ezequiel também se assusta com o que vê. Ele se apavora: “Este era o aspecto da semelhança da glória do Senhor; e, vendo isso, caí sobre o meu rosto” (Ez 1.28). Sem liturgia, ou intervenção humana, o profeta prostra-se todo. E quem não haveria de se prosternar? Mesmo o mais forte dos homens, não se agüentaria diante de tamanho poder e glória. Recurvar-se-ia; lançar-se-ia com o rosto em terra.

Mais tarde, encontraremos Ezequiel noutro caso de prostração: “E levantei-me e saí ao vale, e eis que a glória do Senhor estava ali, como a glória que vira junto ao rio Quebar; e caí sobre o meu rosto” (Ez 3.23). Quem não cairia ante as singularidades da glória de Deus? Quem a resistiria?

Já no final de seus arcanos, Ezequiel vê-se constrangido a comportar-se de igual maneira: “E o aspecto da visão que vi era como o da visão que eu tinha visto quando vim destruir a cidade; e eram as visões como a que vira junto ao rio Quebar; e caí sobre o meu rosto” (Ez 43.3).

Nesses casos, as visões divinas foram tão fortes que levaram tanto Ezequiel como Daniel a caírem por terra. Noutras ocasiões, porém, a ocorrência de visões, igualmente poderosas, não provocou alguma prostração.

Haja vista o caso de Isaías. Embora se mostrasse aterrorizado e compungido com a visão do trono divino, não se menciona ter o profeta caído por terra. Isto significa que as experiências, embora semelhantes, possuem suas particularidades e idiossincrasias. Isto é: cada experiência, ou encontro com Deus, é única. Seria tolice pretender repeti-las para que a sua repetição adquirisse foros de doutrina.

2. O impacto de um encontro com Deus

Além das visões, certos encontros com Deus, tanto no Antigo como no Novo Testamento, levaram à prostração. Mencione-se, por exemplo, o que aconteceu a Saulo no caminho de Damasco. O encontro com Jesus foi tão formidável, que forçou o implacável perseguidor a cair por terra, e a reconhecer a autoridade e a soberania do Filho de Deus: “E caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?” (At 9.4).

Como nos casos anteriores, nada havia sido programado. Saulo foi levado a recurvar-se em virtude da sublimidade do Senhor Jesus. Noutras ocasiões, porém, os encontros com Deus deram-se de maneira suave.

A entrevista de Natanael com Jesus é um exemplo bastante típico dessa suavidade tão santa. O que também dizer do encontro de Gideão com o anjo do Senhor? Ou do encontro de Jeremias com Jeová? Este encontro veio na medida certa; veio de acordo com o caráter suave e melancólico do profeta.

Mas tivesse Jeremias o temperamento colérico de Paulo, certamente o Senhor teria agido com impacto para que o vaso fosse quebrado e moldado conforme a sua vontade. Como se vê, as experiências variam de acordo com as circunstâncias e a personalidade das pessoas envolvidas no plano de Deus.

3. Diante da autoridade de Cristo

A autoridade do nome de Cristo é mais que suficiente para fazer com que todos os joelhos dobrem-se diante de si. Aliás, chegará o momento em que todos os seres, quer nos céus, quer na terra, quer sob a terra, hão de se curvar diante da infinita grandeza do nome do Senhor Jesus: “Pelo que também Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai” (Fp 2.9,10).

Na noite de sua paixão, o Senhor demonstrou quão grande era a sua autoridade: “Quando, pois, (Jesus) lhes disse: Sou eu, recuaram e caíram por terra” (Jo 18.6). Ao contrário dos casos anteriores, nessa passagem quem cai por terra são os ímpios. Recurvam-se estes não em sinal de reverência a Deus, mas em razão da autoridade e soberania irresistíveis de Cristo.

Caso semelhante ocorreu com Ananias e Safira. Ambos caíram por terra em decorrência de sua iniqüidade: “Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo e retivesses parte do preço da herdade? Guardando-a, não ficava para ti? E, vendida, não estava em teu poder? Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus. E Ananias, ouvindo estas palavras caiu e expirou. E um grande temor veio sobre todos os que isto ouviram” (At 5.3-5).

Casos como esses não são raros. Em nossos dias, muitos são os ímpios que, por se levantarem contra os escolhidos do Senhor, caem por terra e, às vezes, fulminados.

Noutras ocasiões, porém, o Senhor revelou-se de maneira tão suave, que se faz homem diante dos homens. Que encontro mais doce do que aquele que se deu junto ao poço de Jacó? O Senhor revela-se de maneira surpreendentemente afável à mulher samaritana. E a experiência de Nicodemos? Ou a de Zaqueu?

Enfim..
Daquilo que até agora vimos acerca do “cair no Espírito” ou Fanerose, podemos tirar as seguintes conclusões, tendo sempre como base as Sagradas Escrituras:

1. Não se pode realçar a experiência, nem guindá-la a uma posição superior à da Palavra de Deus. A experiência é importante, mas varia de pessoa para pessoa; cada experiência é uma experiência; tem suas particularidades. A experiência tem de estar submissa à doutrina, e não há de modificar, por mais extraordinária que seja, nenhum artigo de fé.

2. O cair por terra não pode ser visto nem como evidência da plenitude do Espírito Santo, nem como sinal de uma vida consagrada. A evidência do batismo no Espírito Santo é o profundo amor por Jesus Cristo.